quarta-feira, 9 de maio de 2012

O pesadelo de 1950 terminou – Copa do Mundo de 1958


A Copa do Mundo de 1958, 6ª edição, foi sediada pela Suécia e recebeu 4 seleções da América Latina e 12 da Europa. Os Jogos foram transmitidos para 11 países europeus graças a segunda versão do Satélite Sputinik que os soviéticos lançaram, o restante do mundo poderia ter acesso adquirindo os Kinescópios que faziam filmagens em 16mm, conhecido também como o pai do videotape. No Brasil o Presidente era Juscelino Kubitschek (1956-1961) com o slogan "50 anos de progresso em 5 anos de governo" um presidente apoiado por muitos militares, empresários e até operários; estava em plena construção a nova capital Brasília. Todos os brasileiros estavam felizes e otimistas sem saber o que vinha ainda pela frente economicamente falando mas voltemos ao futebol.
A seleção brasileira ainda carregava nas costas o peso da derrota para o Uruguai na Copa de 50, seu jogador favorito era o jovem Pelé com apenas 17 anos formando trio com Garrincha e Vavá, desta vez eles foram preparados e organizados como nunca antes; o esquema tático do técnico brasileiro Vicente Feola fazia com que Zagallo atacasse e recuasse para marcar no meio-campo, dando origem ao 4-3-3. A defesa era um muro. Chegamos na final contra a Seleção da Suécia e no sorteio dos uniformes eles usariam o seu amarelo restando para nossa Seleção o uniforme azul e o dirigente da delegação brasileira, Paulo Machado de Carvalho, disse: "Nós vamos vencer, vamos jogar com a cor do manto de Nossa Senhora Aparecida".
Os brasileiros acompanhavam pelo rádio e no estádio Råsunda um público de 50.000 pessoas assistiu a vitória do Brasil contra a Suécia por 5x2. Encerrada a partida mesmo sendo derrotados os torcedores suecos aplaudiram de pé o primeiro título de Campeão Mundial do Brasil e os brasileiros puderam soltar seus gritos de vitória entalados na garganta desde 1950.
O escrete de ouro: o técnico Feola, Djalma Santos, Zito, Bellini, Nilton Santos, Orlando e Gilmar; Garrincha, Didi, Pelé, Vavá e Zagallo